Jornal Aliança

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Cidades Tietê Cidade recebe Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo no domingo, dia 25

Cidade recebe Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo no domingo, dia 25

E-mail

   Evento marcará a abertura da 42ª Semana Camargo Guarnieri

   No domingo (25), a Prefeitura de Tietê, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, abrirá as comemorações da 42ª Semana Camargo Guarnieri com a apresentação da Camerata da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. O evento será no teatro do Seminário Santa Terezinha, a partir das 20h e a entrada será um quilo de alimento não-perecível. As doações serão destinadas ao Fundo Social de Solidariedade de Tietê.
   A 42ª Semana Camargo Guarnieri ainda contará com apresentações nos dias 27 e 28 de outubro, na Oficina Cultural, com alunos do Projeto Guri - Pólo Tietê e alunos da Escola de Música Camargo Guarnieri.
   A apresentação dos alunos do Projeto Guri será no dia 27, a partir das 19h30. Já no dia 28, será a vez de conferir os alunos da Escola de Música Camargo Guarnieri, a partir das 19h30, também na Oficina Cultural. Nos dois dias, a entrada será franca.
   Além disso, no dia 31, haverá apresentação com Regi Franzini e Convidados no coreto da Praça Dr. Elias Garcia, a partir das 20h.
   A Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo foi criada em 1990 pela Secretaria de Estado da Cultura, com a proposta de dar tratamento sinfônico à música popular brasileira e universal. Sua formação, bastante singular, une a orquestra nos moldes eruditos a uma big band de jazz, produzindo uma sonoridade ímpar e lhe conferido protagonismo na criação de uma nova estética orquestral brasileira.
   O grande maestro Cyro Pereira, fundador da orquestra, criou o repertório fundamental da Jazz, transpondo melodias populares de compositores como Luiz Gonzaga, Tom Jobim e Pixinguinha para a grandiosidade do som sinfônico.
   A orquestra já dividiu o palco com músicos brasileiros e internacionais, como Tom Jobim, Gal Costa, João Bosco, Diane Schuur, Dee Dee Bridgewater, Paquito D’Rivera e muitos outros. João Maurício Galindo é o Diretor Artístico e Regente Titular da Jazz Sinfônica e Fábio Prado é seu regente adjunto. Desde janeiro de 2012, a orquestra é administrada pela Organização Social de Cultura Instituto Pensarte.
   Maestro tieteense ficou conhecido mundialmente
   Mozart Camargo Guarnieri nasceu no dia 1 de fevereiro de 1907, na cidade de Tietê, no estado de São Paulo. Filho de músico, iniciou seus estudos de teoria musical aos 10 anos de idade com o professor Virgínio Dias, a quem dedicou “Sonho de Artista”, sua primeira composição.
   Em 1923 a família mudou-se para São Paulo. A partir de 1924 Guarnieri passou a estudar piano com Sá Pereira e Ernani Braga. De 1926 a 1930 estudou composição e direção de orquestra com o italiano Lamberto Baldi.
   Camargo Guarnieri começou a escrever música regularmente após a Semana de Arte Moderna, iniciando-se como compositor essencialmente brasileiro em 1928, aos 21 anos, quando compôs a Dança Brasileira e a Canção Sertaneja. Chegou a submeter essas duas obras a Mário de Andrade, então o mais importante intelectual da época, que tornou-se mestre de Guarnieri. Essa relação mestre-discípulo se alongou por muitos anos.
   O maestro foi contratado em 1937 pelo Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo, dirigido, na época, por Mário de Andrade. Em 1938 recebeu uma viagem para a Europa do Conselho de Orientação Artística do Estado de São Paulo. Em Paris estudou contraponto, fuga, composição e estética musical com Charles Koechlin, regência de orquestra e de coros com François Rühlmann, maestro da Orquestra da Ópera de Paris na época, além de realizar uma audição de suas obras na série Revue Musicale, retornando ao Brasil em 1939, em decorrência da II Guerra Mundial.
   Em 1942 fez sua primeira viagem aos Estados Unidos, onde realizou um concerto com a Orquestra League of Composers of New York e dirigiu a Orquestra Sinfônica de Boston a convite de Sergey Koussevitzky.
   De 1955 a 1960 foi assessor técnico de assuntos musicais do Ministério da Educação e Cultura.
   Durante toda sua vida Guarnieri acumulou prêmios e ocupou altos cargos no cenário da música nacional e internacional.
   Diferenciando-se de seus antecessores e mesmo de contemporâneos, Camargo Guarnieri não “veio” da música europeia para a brasileira, pelo contrário, iniciou-se já envolvido em música brasileira. Compôs vasta obra em todos os gêneros, atingindo um número de mais de setecentas peças.
   Grande apreciador da música de Brahms, devoto de Bach, além de admirar Mozart de tal maneira que deixou de assinar seu primeiro nome em respeito ao mestre. Ficava furioso quando alguém o chamava de Mozart ou cometia o “crime” de colocar seu nome completo em um programa de concerto ou capa de disco.
   Foi criador e diretor do Coral Paulistano, idealizou o 1º Festival de Campos do Jordão, foi diretor da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da USP desde a sua criação, em 1975, e membro fundador da Academia Brasileira de Música, da qual foi presidente.
   Regeu as mais importantes orquestras estrangeiras. Foi membro do júri dos mais importantes concursos internacionais, além de ter sido agraciado com inúmeros prêmios, condecorações e medalhas, somando mais de cem títulos nacionais e estrangeiros, e ainda premiado em mais de 10 concursos nacionais e internacionais de composição. Camargo Guarnieri faleceu em 13 de janeiro de 1993, aos 85 anos, em São Paulo, logo após ter sido agraciado com o prêmio “Gabriela Mistral”, pela OEA (Washington), com o título de “Maior Compositor Contemporâneo das Três Américas”. (Texto baseado nos escritos de Vera Guarnieri).

 
Joomla Slide Menu by DART Creations

Conteúdo Exclusivo

Seja um assinante e tenha acesso a este conteúdo! Ligue agora!(15) 3246-3700

Pesquisar no Site:

Você está conectado através do IP: 54.144.14.134