Jornal Aliança

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Colunas Refletindo E seguia Jesus pelo caminho

E seguia Jesus pelo caminho

E-mail

Missão de todos
Encerrando o mês missionário ouvimos as palavras de Jesus a todos os que estão à beira do caminho, clamando por vida digna. O cego, excluído pelo sofrimento da doença, encontra em Jesus o caminho da cura. Grita: “Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim!”. Professa a fé em Jesus que lhe diz “Que queres que te faça?”. O milagre é uma abertura para a visão completa, pois recupera a vista e segue Jesus que é o Caminho. A luz da fé lhe devolve a luz. Vê Jesus com os olhos e pela fé e O segue. Sendo mês missionário refletimos sobre a missão de todos. Aqui temos duas atitudes: A primeira é desconhecer o clamor dos necessitados, repetindo a atitude dos que seguiam Jesus: “Mandavam que se calasse”, pois estava incomodando. A segunda é positiva: animar os que recebem o chamado: “Coragem, levanta-te, Jesus te chama. O milagre é uma lição para nós. A fé cura, mas não é pronto socorro. Abrir os olhos é conhecer Jesus e segui-Lo no caminho. A fé é um dom que deve ser desejado. Como nos mostra o profeta, é como a volta do exílio. É uma grande transformação como rezamos no salmo: “Maravilhas fez conosco o Senhor, exultemos de alegria”. Jesus associou a si discípulos para continuarem essa missão de acolher, anunciar e reunir os seguidores no caminho para seguir Jesus. Volta do exílio é como uma renovação total. As profecias não são atos isolados nem se referem somente ao fato a que se dirigem, mas podemos ler nelas também nossa vida. Somos como que cegos à beira do caminho. Jesus está sempre passando e podemos sempre repetir a oração do cego: “Mestre, que eu veja!”(Mc 10,510). Temos também a missão de estimular as pessoas a irem a Jesus que chama: “Coragem! Levanta-te, Jesus te chama” (49).

Relendo nossa história:
Os fatos maravilhosos de Deus em nossa vida não acabam como uma página passada. Quantas maravilhas fez conosco o Senhor! “Exultemos de alegria!”. O povo de Israel fazia memória de sua história lembrando os sofrimentos passados e as libertações realizadas por Deus. Nós o fazemos em cada Eucaristia quando dizemos: “Celebrando a memória de sua Morte e Ressurreição…” A memória renova os dons da salvação que recebemos. Muitas vezes temos uma memória sofrida e guardamos mágoas de fatos dolorosos. É preciso curar a memória lembrando também as maravilhas que Deus operou em nossa vida. É a memória agradecida. Fazemos memória dos que nos educaram na fé e dos que nos deram a mão. A Palavra de Deus é também para nós uma constante oportunidade de fazer de nossa vida uma história de Salvação. Recebemos também a missão de recordar à comunidade e às pessoas, as maravilhas de Deus.

Jesus, o intercessor
Cristo ouviu a súplica do cego e continua a ouvir todo aquele que clama: “Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim”. Lemos na carta aos Hebreus que “todo o sumo-sacerdote é tirado do meio dos homens e instituído em favor dos homens nas coisas que se referem a Deus” (Hb 5,1). Ele ouve porque sabe ter compaixão. Ele conheceu o sofrimento e a fragilidade. A missão do sacerdote não é realizar ritos, mas ter compaixão. É fazer-se ouvido dos que clamam. É estimular os que se dispõem a procurar Jesus e não silenciar a voz do povo que sofre. Nos sofrimentos aprendemos a dizer como o cego Bartimeu: “Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim”. Esta oração deve estar sempre em nossos lábios. A oração do nome de Jesus é unir-se a sua pessoa para segui-lo no caminho.
A cura do cego Bartimeu tem um desenvolvimento que estimula a missão do cristão. Há duas atitudes: desconhecimento da situação, como o mandavam calar-se e a atitude de estimular a ir ao encontro de Cristo: Coragem, Ele te chama. Depois de abertos os olhos podemos seguir Jesus no caminho. É a grande transformação anunciada. Jesus associa a si os discípulos.
As maravilhas de Deus não acabam. Exigem memória constante, como fazemos na Eucaristia. A Palavra de Deus é uma constante oportunidade de fazer de nossa vida uma história de Salvação.
Cristo continua a ouvir nossas súplicas porque Cristo está a nosso favor. Ele conheceu os sofrimentos e a fragilidade. A missão da Igreja não são os ritos, mas a compaixão e fazer-se ouvido pelos que clamam. Sempre podemos dizer: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim.

Enxergar para ver
Jesus curou um cego. Primeiramente ele ouviu o movimento de pessoas. Ao saber que era Jesus Nazareno que passava não se importou com os que mandavam que ficasse calado. Ele gritava: “Filho de Davi, tem piedade de mim”. Esta frase era uma grande profissão de fé em Jesus. Quando Jesus o chama todos o animam dizendo: “Coragem, levanta-te, Jesus te chama”. Deu um salto, jogou o manto e foi até Jesus.
Jesus lhe fez a pergunta: “Que queres que eu te faça?” Responde: “Mestre, que eu veja”. Jesus aceitou sua fé manifestada com tanta efusão: “Vai, a tua fé te salvou”. No mesmo instante ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho.
Fez um caminho longo de cegueira e de busca na escuridão em que vivia. Ouvira falar do Nazareno até que pode encontrar-se com Ele. Deu o salto da fé, começou a enxergar e viu Jesus e o seguiu pelo caminho.
É esse o caminho da fé: mesmo na escuridão podemos enxergar Jesus e vê-Lo para segui-Lo no caminho para Jerusalém, isto é, para viver com Ele a Paixão e Ressurreição. Fé é um caminho e não somente uma opção espiritual

 
Joomla Slide Menu by DART Creations

Conteúdo Exclusivo

Seja um assinante e tenha acesso a este conteúdo! Ligue agora!(15) 3246-3700

Pesquisar no Site:

Você está conectado através do IP: 54.144.14.134