Jornal Aliança

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Colunas Refletindo Celebrando a vida

Celebrando a vida

E-mail

Ao lado da celebração de Todos os Santos comemoramos a memória de todos os mortos.
É momento de uma tristeza serena e de refletir sobre a na verdade da vida.
Rezar pelos mortos já é uma tradição do Antigo Testamento como lemos no Segundo Livro dos Macabeus (2Mc 12,38-45). Já devia ser uma tradição.
Nas catacumbas temos muitos testemunhos dessa prática de fazer oração pelos mortos. S. Mônica, mãe de Santo Agostinho, nos momentos finais de sua vida pediu a seus filhos que se lembrassem dela no altar do Senhor. Já era uma tradição na Igreja.
A Igreja sempre rezou pelos mortos. Continuemos! Um dia vamos precisar de oração. A própria celebração de Finados, levando flores, acendendo velas e visitando um cemitério, é uma demonstração do valor dessa oração e dessa união que temos no Corpo Místico de Cristo.
Rezamos por sua purificação. Ao terminar a vida, nem sempre estaremos com o coração puro. Aqui fazemos nossa maior caridade: a oração que sustenta e alimenta nossa vida e purifica nossos pecados. Somos um corpo e todos participam dessa purificação.
A vida um dia termina. Por que então visitar os cemitérios, lembrar os mortos, se tudo acabou? Os cemitérios são o maior testemunho da vida que continua. Temos algo mais que a vida terrena: a vida eterna. Temos o costume de encomendar missas pelos mortos, sobretudo nas datas importantes de sétimo dia, trigésimo dia e um ano de falecimento.
Contudo, em todas as missas rezamos por todos falecidos. Muitos gostam que seja citado o nome. É como que uma presença da pessoa que, por sinal, não desapareceu, mas está presente espiritualmente, pois a Eucaristia une vivos e mortos.

Esperança da Ressurreição
A vida termina aqui, mas continua eterna. Há gente que ensina que a vida acaba com a morte. Pelos seus atos demonstra que crê na eternidade. Aqui encontramos a maravilha que Deus nos oferece: a ressurreição.
Como isso vai funcionar, sabemos pela fé. Como Jesus ressuscitou dos mortos, nós também ressuscitaremos. Crer na ressurreição dos mortos é a melhor condição para viver bem a vida que nos é dada.
Vivemos já a vida eterna na medida em que vivemos bem nossa vida, mesmo nos sofrimentos. Jesus não quer que nenhum de nós se perca, e coloca nisso sua missão: “Não desci do Céu para fazer minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas que os ressuscite no último dia” (Jo 6,39). Pela fé, temos a vida eterna. Todos ressuscitarão. Celebrar Finados é fazer uma profissão de fé na Ressurreição.

Ele transformará nosso corpo
Como vai acontecer nossa ressurreição? É bom lembrar que tudo que acontecerá depois de nossa morte não nos é acessível a não ser através da Palavra de Deus que tem também muita linguagem simbólica. Paulo nos explica sobre a ressurreição em diversos lugares.
No texto da liturgia de hoje lemos que nossa pátria é o Céu: “Somos cidadãos do Céu. De lá aguardamos o nosso Salvador, o Senhor Jesus”. Nossa ligação com a Vida Eterna se dá em Jesus. “Ele transformará nosso corpo humilhado e o tornará semelhante ao seu corpo glorioso” (Fl 3,20-21).
A transformação não elimina o que somos em nossa condição corpórea. Ela será transformada em uma condição espiritual. Nosso corpo é transformado. Não é deixada uma casca e solta o espírito, nossa alma.
Seremos nós mesmos. A identidade pessoal não é modificada, mas levada à outra condição na qual é o espiritual que conduzirá nosso corpo. Seremos semelhantes a Cristo, como nos foi mostrado na Transfiguração.

 
Joomla Slide Menu by DART Creations

Conteúdo Exclusivo

Seja um assinante e tenha acesso a este conteúdo! Ligue agora!(15) 3246-3700

Pesquisar no Site:

Você está conectado através do IP: 54.80.115.140